Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

posted in: Tarts & Pies | 4
Share on Google+Buffer this pageShare on YummlyShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Pastel de Nata Gigante (passo a passo com fotos) – um recheio cremoso bronzeado, levemente polvilhado com canela e uma massa estaladiça, que lasca em mil folhas.

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Olá!


Estou de volta! Tudo bem por aí? Aposto que já desfrutam da Primavera!

Chegaram a experimentar o Pudim do Abade de Priscos?  Tem um aspecto tentador, não tem? Posso assegurar-vos que sabe ainda melhor! 😉

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Hoje trago-vos outro doce tradicional português… Com certeza que já conhecem o Pastel de Nata, descendente do Pastel de Belém.

Sim… Este é um desses… mas na versão gigante. Às vezes nós não estamos com aquela disposição de fazer doses individuais, uma a uma, para uma festa ou para a sobremesa do almoço de Domingo.

Pois, eu sei o que isso é…

… mas ainda assim, queremos ter uma sobremesa feita por nós. Então, eu pensei “Porque não fazer um Pastel de Nata Gigante?” e comecei a tentar… e a tentar… e a tentar outra vez… até conseguir aquela cor tão típica e deliciosa que coroa o recheio deste doce, sem queimar a massa folhada. Claro!

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Por favor, não tenham receio de deixar que a tarte ganhe esta cor! Este castanho, quase negro, é o que confere o sabor incomparável de Pastel de Nata ao recheio.

E, já que falamos de recheios cremosos… Este é ou não é o recheio cremoso mais rico e convidativo de todos?

Tem muitas gemas, natas e uma pitada de canela…

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Querem mais boas notícias? Podem faze-la com antecedência! Sim, com tempo! O creme do recheio pode ficar no frigorífico até 3 dias.

Aqui o problema a sério, é conseguir uma massa estaladiça e um recheio bem bronzeado num forno de cozinha de casa.

Eu tenho uma solução!

Existem outras formas, mas eu achei esta solução simples e não precisa de nenhum equipamento especial. Pelo menos, nada mais do que feijões secos, papel de alumínio e papel vegetal.

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Estes pastéis nasceram no século XVIII no Mosteiros dos Jerónimos, em Lisboa.

Os pastéis de nata, como tantos outros doces tradicionais portugueses, surgiram em tempos onde em conventos e mosteiros eram usadas grandes quantidades de claras para engomar a roupa. Assim, era comum haver muitas sobras de gemas… então, o que poderia ser melhor do que usar as gemas para fazer bolos e outros pastéis? Desta forma, nasceu a maior parte do património português de doçaria tradicional.

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

O Pastel de Belém (que deu origem ao Pastel de Nata) foi eleito uma das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal, em 2011.

Receita adaptada do livro Cozinha Tradicional Portuguesa de Maria de Lourdes Modesto.

5.0 from 1 reviews
Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante
 
Este é um guia passo-a-passo (com receita) para o Pastel de Nata Gigante - um recheio cremoso bronzeado, levemente polvilhado com canela e uma massa estaladiça, que lasca em mil folhas.
Author:
Recipe type: Dessert
Cuisine: Portuguese
Serves: 12
Ingredients
Recheio
  • 190 g açúcar
  • 2 colheres de sopa de farinha (s/ fermento)
  • pitada de canela (opcional)
  • 10 gemas
  • 500 ml de natas (35% gordura)
  • 1 casca de limão (s/ parte branca)
Massa folhada
  • 200 g massa folhada
Material
  • 500g de feijão seco
  • papel vegetal
  • papel de alumínio
  • forma de tarte de 22 cm (diâmetro interno)
Instructions
  1. Pré-aquecer o forno a 220 ºC.
Recheio
  1. Separar as gemas das claras, passando as gemas por um coador.
  2. Numa panela (tamanho médio) misturar a farinha, o açúcar e a canela. Acrescentar as natas e as gemas, mexendo bem até obter uma cor uniforme e adicionar a casca do limão vidrada (sem a parte branca).
  3. Levar a lume médio, mexendo de vez em quando até começar a ganhar consistência. Assim que o creme estiver mais espesso mexer continuamente até que, quando levantar a colher ou a vara de arames, consiga desenhar com o creme (que cai da colher) sem que o desenho desapareça.
  4. Levou-me cerca de 30 mins no total, numa placa de indução, na intensidade 6 de 9 (máximo da minha placa).
  5. Retirar do lume e colocar num recipiente tapado com película aderente, para arrefecer.
Massa Folhada
  1. Com a massa à temperatura ambiente, desenrola-la e se necessário esticar até ficar com cerca de 3mm de espessura. Colocar sobre a forma e cortar o excesso com uma faca afiada.
  2. Colocar uma folha de papel vegetal por cima da massa, de modo a que as extremidades fiquem cobertas.
  3. Encher a cavidade com os 500 g de feijão seco e levar ao forno por 12 a 15 mins, na posição inferior.
  4. Retirar do forno a massa e, cuidadosamente, retirar os feijões com a ajuda do papel vegetal para um recipiente onde possam arrefecer, para mais tarde guardar e poder reutilizar.
  5. Voltar a colocar a massa no forno por mais 5 minutos, sem qualquer protecção.
  6. Retirar e deixar arrefecer sobre uma rede.
Tarte
  1. Aumentar a temperatura do forno para o máximo (250 ºC eléctrico/ 260 ºC gás). O forno deve continuar a aquecer, a esta temperatura, por mais 30 minutos, mesmo que este apite avisando que já está quente. (Caso, por algum motivo, tenha desligado o forno ou este se encontre frio o tempo de aquecimento deverá ser de 40 a 60 minutos dependendo de cada forno. Este passo é importante para garantir a cor do topo da tarte e o tom acastanhado da massa folhada cozida e estaladiça.)
  2. Quando o recheio estiver à temperatura ambiente, assim como a massa e o forno estiver bem quente, coloque o recheio na massa e alise o topo.
  3. Corte uma folha de alumínio que cubra toda a tarte, dobre ao meio do lado mais longo e corte um circulo no centro de modo a que ao abrir novamente a folha e colocando sobre a tarte a massa fique protegida mas o recheio à mostra.
  4. Leve ao forno por 5 minutos na prateleira superior, tendo atenção para não queimar totalmente o topo. E depois, coloque mais 5 minutos na prateleira inferior, ou mesmo pousada na base do forno, tendo mais uma vez atenção para que não queime a base da tarte.
  5. Retire e deixe arrefecer sobre a rede. Quando conseguir pegar na forma, sem se queimar, desenforme e delicie-se. Deixe arrefecer se pretender um recheio mais firme ou se conseguir resistir =).
Notes
*É importante que o forno esteja mesmo mesmo bem quente, caso contrário o topo do creme não ganhará a cor desejada.
*Pode preparar o recheio 3 dias antes e mante-lo no frigorífico, protegido com película aderente.
*Depois de pronta, a massa folhada, mantém-se estaladiça durante um dia, aproximadamente. Isto se durar até lá!
 

Passo a passo (c/ fotos):

– Recheio

O primeiro passo do recheio está nas duas primeiras fotos que se seguem, onde se faz a separação das gemas e das claras e se faz passar as gemas por um coador (primeira foto), tendo como resultado final a segunda foto.

O segundo passo do recheio encontra-se na terceira e quarta fotos. Na terceira foto estão os ingredientes secos misturados e na quarta foto já se acrescentou as natas e estão a ser misturadas  as gemas.

O resultado do terceiro passo: a consistência do creme que permite fazer desenhos (com o creme que cai da colher) pode ver-se na foto abaixo:

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

 

 – Massa Folhada

O resultado do primeiro passo da preparação da massa folhada, antes de cortar o excesso:

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata GigantePara cortar o excesso, coloque a faca na vertical e encoste à borda exterior da forma de tarte. Passe a toda a volta e descarte o que sobrou da massa.

O segundo e terceiro passos para a proteção da massa folhada:

Depois do quinto passo, a massa deverá estar parecida com esta:

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

– Tarte

O segundo passo na preparação da tarte é parecido com estas fotos:

O resultado do corte da folha de alumínio deverá ser o da foto da esquerda e o aspecto final do Pastel de Nata Gigante deverá ser algo do género da foto da direita.

Se pretenderem um resultado brilhante e inesquecivelmente mais parecido com os originais, seria uma boa ideia fazer a massa folhada em casa. Claro está, tendo a certeza de que a manteiga está em camadas uniformes, que a massa é esticada fina e bem dobrada. No entanto, no caso de se dar perguicite aguda comprem massa folhada feita (como eu ;)).

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Um conselho: Experimentem-na morna, com uma fina camada de canela (se gostarem), acompanhada de uma caneca de café ou um expresso. Esta até sabe melhor naqueles dias chuvosos de Primavera. 

Kikalicious - Giant Portuguese Custard Tart | Pastel de Nata Gigante

Viva a pastelaria tradicional!

Kika

 

Share on Google+Buffer this pageShare on YummlyShare on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

4 Responses

  1. Hi Kika!

    What a lovely outcome this was! I can’t stop thinking about taking this and a hot coffee mug on a road trip and enjoy it in the middle of a mountain!

    Congrats! Kiss!

  2. My wife loooooves custard tarts and was saying just a few days ago that I need to make her one! I’m totally doing this for her! Thanks Kika! 🙂

Leave a Reply

Rate this recipe: